skip to main content

Razões para definir um Plano Financeiro

07.06.2021 Vítor Mário Ribeiro, CFA

Definir um plano financeiro é essencial para um individuo, família ou organização atingir o bem-estar financeiro. Sejam quais forem os seus objetivos, preferências, idade ou situação atual.

O planeamento financeiro permite a cada um definir múltiplos objetivos financeiros ao longo de diferentes períodos. Este plano torna-nos menos propensos a reagir de forma emotiva e precipitada perante situações que vão ocorrendo. Um bom planeamento financeiro significa, por isso, garantir o controlo e entender as implicações de cada tomada de decisão.

 

O que é planeamento financeiro?

Um plano financeiro deve ser visto como um mapa. É um guia personalizado que considera a nossa situação atual e metas futuras. Deve incluir uma avaliação do patrimônio total, incluindo ativos e responsabilidades, rendimento disponível e despesas correntes, impostos, a gestão de risco individual e o planeamento da reforma.

Cada plano é único, todos somos diferentes. No entanto, todos os planos devem ajudar a responder a questões como:

  • Qual é a nossa situação financeira atual?
  • Para onde queremos ir?
  • E como vamos chegar lá?

 

Principais razões para construir um plano financeiro

 

  • Conhecer a nossa situação financeira atual

Não saber em que ponto estão as nossas finanças pessoais pode conduzir-nos a decisões erradas e a momentos difíceis. O plano financeiro vai ajudar a definir metas e a conhecer melhor o padrão de consumo e rendimento.

  • Planear para melhor enfrentar eventos e riscos inesperados 

Os eventos inesperados…acontecem. Desde uma situação de desemprego até às situações de saúde ou acidentes. Apesar de inesperadas devem estar precavidas e a criação de um fundo de emergência e um plano sistemático de poupança ajudam a estabelecer regras e proteção apropriada.

  • Identificar oportunidades e definir metas e objetivos realistas para o futuro

Definir metas e objetivos é essencial. Mas é ainda mais essencial que essas metas e objetivos sejam realistas. Através do planeamento financeiro podemos detetar oportunidades ao nível financeiro e fiscal, por exemplo, que podem ajudar a atingir essas metas.

  • Aumentar a confiança e paz de espírito.

Um bom planeamento financeiro aumenta a nossa confiança e motivação. Permite-nos encarar o futuro com otimismo e segurança, contribuindo para um comportamento mais racional e menos sujeitos a erros emocionais.

 

Guia para construir o plano financeiro

Para construir o plano financeiro juntamos todas as peças do puzzle financeiro, incluindo gastos e rendimentos atuais e futuros, o valor do capital humano, o património total, objetivos de longo prazo e as nossas restrições e preferências.

UtaeyWtUHjJ7_xQfLpa0lja3d8B-f_JcfYqtjpz9RlTqfk6PHjFKwYRjfACndp_eK-K7hjYBPbnmvYT7bMD9CtmKaWI9_QFZzFoBU-Jv8kG0IFfV3TFTFCqztjhIamB2Pv1EH58

Primeiro vamos definir o conjunto de objetivos financeiros a atingir. Queremos poupar para atingir um determinado valor de património, para manter aumento o nosso nível no futuro, para fazer face a necessidades de consumo mais à frente.

Analisando os nossos gastos mensais conseguimos construir um orçamento. Basta analisar os últimos três a seis meses para perceber o nosso padrão de consumo e as rubricas onde gastamos dinheiro. Comparando o nosso rendimento líquido disponível com o referido padrão de consumo percebemos de imediato qual o valor da poupança e se esta pode ou não aumentar.

Nesse padrão de consumo não devemos esquecer os impostos e as situações inesperadas para as quais devemos construir um fundo de emergência. O ideal será que esse fundo de emergência seja de 6 a 12 meses do nosso orçamento mensal.

Tal como referimos neste artigo, saber o valor do património total implica também gerir a dívida e as nossas responsabilidades futuras.

O planeamento financeiro inclui ainda a gestão do risco individual e financeiro. Principalmente na gestão do risco de morte prematura, que pode colocar em causa o bem-estar dos nossos dependentes, e o risco de longevidade, que realça a importância do correto planeamento da reforma e do nosso estilo de vida no futuro.

 

Conjunto de objetivos a definir num Plano Financeiro

Para que o plano se torne claro e exequível é importante definir metas e objetivos. 

A reforma é talvez o objetivo mais importante e aquele pelo qual há mais informação e interesse. 

No entanto, um bom planeamento financeiro pode e deve abranger outros objetivos, tais como:

  • Educação, 
  • Proteção na saúde, 
  • Férias e viagens,
  • Seguros para riscos relacionados com a perda de rendimento ou relacionado com vida, conforme explicamos em outro artigo sobre o nível de tolerância ao risco financeiro;
  • Impostos, 
  • Planear a herança ou doações, 
  • Investimento em negócio próprio, 
  • Investimento em imóveis, arte ou outros ativos alternativos para diversificar fonte de rendimento,
  • Constituição de um fundo de emergência, garantindo uma reserva para eventos ou despesas inesperadas.

MGAb3KeBtidRG5IsKYM3WUZsVDCRQULu7TzBOUnpxoyGKHytahY5fZqfdrQ9Jum6K0AkKlu1fScV48Q-ydeSo7WgFsum5MdnUjXgZqO7kYLEqcktegDCpae9M_CaSWI5n9nnmXE

A importância da literacia financeira

A educação financeira é cada vez mais importante e está gradualmente a ganhar espaço mediático em Portugal. Seja porque de facto há um défice de conhecimento que prejudica o bem-estar individual e o desenvolvimento económico e social, seja porque as soluções de poupança são cada vez mais complexas e diferentes das tradicionais ofertas de depósito a prazo e títulos do tesouro.

É também notório as diferentes motivações que temos e a maior complexidade do nosso dia-a-dia, nomeadamente ao nível do consumo e da flexibilização do rendimento. 

Por isso é essencial procurarmos mais e melhor conhecimento.

Para contribuir neste processo a Future Proof tem vindo a disponibilizar algumas ferramentas como o blog e, mais recentemente, o podcast Future Proof Talks.

No entanto, é importante destacar também outras plataformas e iniciativas que muito estão a fazer para desenvolvimento da literacia financeira em Portugal:

O plano financeiro é importante em qualquer altura, mais ainda em momentos de incerteza e de grandes choques culturais, sociais e económicos como os que vivemos atualmente.

 Ter um plano é ter um caminho e saber o que decidir quando ninguém decide ou quer decidir. É olhar para o futuro e não para o passado. É planear para não falhar!

Artigos de interesse:

Sustainable investment

Como investir de forma responsável

A indústria financeira está a olhar para o ESG e para toda a temática do investimento responsável e de impacto positivo com grande dinamismo e interesse. Uma espécie de onda verde que está a varrer a indústria, provocada por uma nova geração de investidores.

31/05/2021
A ideia de que precisamos de ser investidores activos

A ideia de que precisamos de ser investidores activos

O que quero dizer com sermos activos diz respeito à na nossa carteira, vendendo e comprando continuadamente, aquilo que em finanças se designa de turnover. Podem-no ser igualmente com ETFs de gestão passiva.

15/08/2020

Retornos e tempo – uma relação de longo prazo

Decidi continuar com a análise ao investimento e às crises de um ponto de vista temporal. Com este post a ideia é complementar o que já escrevi no anterior artigo, "O dia em que se quis vender tudo".

Pretendo introduzir na análise o conceito de retornos rolantes.

12/04/2020
Vítor Ribeiro CFA® Charterholder e fundador.
Vítor Mário Ribeiro, CFA

Vítor é um CFA® Charterholder, empreendedor, melómano e com um sonho de construir um verdadeiro ecossistema de investimento e planeamento financeiro ao serviço das famílias e organizações.

Ver todos os artigos

A Future Proof é um agente vinculado do Banco Invest, S.A. registado na CMVM.
Menu