skip to main content

As motivações para um Investimento Sustentável

15.05.2021 Vítor Mário Ribeiro, CFA

O Investimento Sustentável e com impacto transforma a forma como investimos, pois, ao mesmo tempo, sabemos que podemos fazer a diferença.

Este processo de investimento sustentável, que tem tornado mais verde o mapa da indústria financeira e especialmente a carteira dos investidores, inclui tópicos relacionados com a ética, a transparência, o clima, as tendências disruptivas e o investimento responsável, sustentável e com impacto positivo na sociedade.

Uma investigação da MSCI identificou as três principais motivações para os investidores usarem o investimento ESG.
 

uMv-mJuxvVx5JTeASJN9vI0k_igx5rbe3o_sfWHvOARtPJJmlyMbAG6uJ1Yj0YkxXvEPWw0WwK6sXhGYpFo26QZMjPZzRX7akl2hio6itSahmWtmiWae5CqXjc9BVzMVDHI_V8E

Por um lado, os investidores acreditam que a integração de critérios ESG na tomada de decisão pode melhorar os resultados de longo prazo da sua carteira, aumentando a probabilidade de atingimento dos objetivos definidos.

Acreditam também que a inclusão de valores pessoais, a personalização da carteira de investimento, é uma tendência marcante na construção de um plano financeiro. Por isso, os fatores ESG são considerados como uma ferramenta essencial para alinhar a tomada de decisão com os valores pessoais de cada investidor. 

E depois há o impacto positivo com o investimento sustentável, também conhecido como impact investingEsta prática demonstra a vontade dos investidores em marcar a diferença com os seus investimentos financeiros. O objetivo é aliar os ganhos financeiros aos ganhos ambientais e ao desenvolvimento social e da comunidade.

Esta procura acelerada dos investidores está também a provocar mudanças de comportamento nos próprios advisors, gestores de ativos, fundos de investimento, ETF, fundos de pensões e outros investidores institucionais. Desde logo através de um processo de investimento mais ético, sustentável e transparente e depois exigindo maior responsabilidade corporativa nas empresas e negócios em que investem.

Fruto desta pressão, estes gestores têm hoje um conjunto mais alargado de preocupações, estão focados em questões como: remunerações dos executivos, a sustentabilidade dos recursos naturais e agrícolas, as questões do governo das empresas nas quais investem, as medidas anticorrupção e as mudanças climáticas e emissões de carbono.

Só em 2020, segundo dados da MSCI, foram lançados 120 ESG ETF, sendo que a sua grande maioria foram ETF de ações.

v2a3J5qkn3MFCcpdcr8CUA2V8rxRNrO2OC-CFbI1qufzW7iNu5HkAYcmWHbfnW-YLU2cPUCnb_4uI0ZYkm3HMhn-6YavCjlAhIBMWVCOqrKa3_DtintosDK9GaK-_0qX9meizro

 

A transferência de riqueza entre gerações

Este alinhamento dos valores da sustentabilidade com a carteira de investimento é ainda mais evidente nas gerações mais novas.

Os próximos anos serão marcantes para esta evolução. Estamos perante a maior transferência de riqueza entre gerações. De acordo com a Cerulli, uma empresa de research, a estimativa de transferência de riqueza só no EUA pode ascender a $68trn até 2042, dos baby-boomers para os seus descendentes.

Os baby-boomers, geração nascida entre os anos 40 a meados dos anos 60 do século passado, tiveram décadas de crescimento e desenvolvimento a que nunca tínhamos assistido, criando riqueza, mas também lançando as preocupações de sustentabilidade do planeta.

Agora, os Millennials e a geração digital (gerações entre os 25 e 40 anos), têm em mãos riqueza que podem usar para o seu próprio benefício, mas também com motivações sociais, ambientais e éticas.

Como refere Dave Nadig, CEO de ETF.com, estas novas gerações “simplesmente pensam diferente em relação aos seus investimentos”. 

Assim, ao definirem a sua estratégia, os investidores estão a incluir no seu processo de investimento fatores essenciais a par dos tradicionais fatores financeiros:

  • Em termos ambientais, os investidores e as empresas procuram soluções ao nível das emissões de carbono, da gestão da água e oportunidades em “clean tech”;
  • Na vertente social, olham para a privacidade e a segurança dos dados pessoais, e as relações entre as diferentes comunidades;
  • Na questão do governo corporativo, destaca-se a ética, as questões salariais e a transparência ao nível fiscal.

 

ESG como risco, objetivo e fator de inovação

A verdade é que, entendendo o ESG também como risco, e integrando-o no nosso processo de investimento, podemos melhorar a performance da carteira. Mas esta melhoria, naturalmente, só é possível com as motivações das próprias empresas. Estas sabem que gerindo melhor os riscos ambientais, os valores éticos e o impacto social e na comunidade, têm mais probabilidade de sucesso e de crescimento quando comparadas com empresas que não seguem as mesmas motivações ou que não estão a acelerar esse processo.

Este é um processo contínuo e irreversível e um conceito transversal a todos os setores da sociedade.

E não. Não é só marketing, não é só a indústria financeira a encontrar novas formas de comercialização de produtos financeiros. Mas há um longo caminho a percorrer para incutir definitivamente este espírito e não sermos enganados. E a inovação surge também como um dos fatores chave nesse caminho e para acelerar o processo em direção aos objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas 2030.

Objetivos de investimento sustentável
De acordo com um research da Ark Invest, este processo de inovação permitirá acelerar a convergência económica:

  • As moedas digitais podem tornar as finanças mais inclusivas;
  • Os foguetões reutilizáveis e o lançamento de novos satélites vão permitir que o acesso à internet se torne barato em quase qualquer lugar da Terra;
  • A redução do custo de produção da alimentação fruto da introdução da inteligência artificial e alteração genética;
  • ​Sistema de mobilidade elétrica que possibilita reduções graduais no custo de viagem.

Mas claro, há riscos e mitos no processo. As indústrias mais poluentes ou de armamento não vão desaparecer, por exemplo. No entanto, mesmos nestas indústrias, a inclusão dos fatores ESG permite aos investidores alargarem as suas opções de investimento baseadas no rating de qualidade ESG. 

O crescimento e as motivações dos investidores demonstram que o ESG não vive à custa de perda da rentabilidade nem do frenesim mediático. Há fundamento e um alinhamento concreto entre os diversos participantes para um processo de investimento mais transparente, ético e impactante, que proporcione crescimento sustentado e ajustado a todos os riscos inerentes.

A ética, o ambiente e a responsabilidade social fazem toda a diferença para o nosso futuro. Invistam com impacto!

Artigos de interesse:

ESG Investing e Investimento Sustentável

O que é o ESG e o Investimento Sustentável?

O Investimento Sustentável é uma abordagem ao investimento que inclui critérios ambientais, sociais e de governo corporativo no processo de tomada de decisão com o objetivo de atingir os objetivos de longo prazo e um impacto positivo no planeta.

09/05/2021
worry_small

O custo emocional de investir

Aquilo que chamo “Custo emocional de investimento” é a emoção que advém do desconhecimento sobre o futuro, o risco. O risco é o que o mercado recompensa. Se não houvesse risco não haveria um retorno associado ao investimento no mercado de capitais.

22/12/2020
Planeamento financeiro e set-up de objetivos a longo prazo.

Planear, planear e planear!

Na Future Proof acreditamos que qualquer processo de investimento deve ter nos seus fundamentos uma análise profunda e holística das preferências, responsabilidades e objetivos dos investidores.

01/02/2020
Vítor Ribeiro CFA® Charterholder e fundador.
Vítor Mário Ribeiro, CFA

Vítor é um CFA® Charterholder, empreendedor, melómano e com um sonho de construir um verdadeiro ecossistema de investimento e planeamento financeiro ao serviço das famílias e organizações.

Ver todos os artigos

A Future Proof é um agente vinculado do Banco Invest, S.A. registado na CMVM.
Menu